Dicas para aproveitar o melhor de São Miguel dos Milagres

No post passado escrevi sobre as melhores praias do litoral norte de Alagoas, se você não leu clique aqui, e nesse post vou destacar o que há de bom e ruim nas praias da Rota Ecológica de São Miguel dos Milagres. A rota dos Milagres contempla as praias de Barra do Camaragipe, Praia do Merceneiro, Praia do Riacho, São Miguel dos Milagres, Praia do Toque, Porto da Rua, Tatuamunha, Praia da Lage e Praia do Patacho.

Indico que seja alugado um carro  para ter mais tranquilidade e poder visitar as praias que quiser, e foi exatamente o que fizemos, saímos de Maragogi e “descemos” em direção a Maceió, fomos pela orla para poder ir parando e conhecer todas as praias. Em Japaratinga pegamos uma balsa para atravessar o rio Manguaba, que separa a cidade de Porto das Pedras, a travessia é bem rápida, o rio não é tão grande assim, mas facilita muito, se desviasse pela estrada perderíamos mais de meia hora. O custo é de R$20,00 por carro.

A primeira praia em Porto das Pedras é a Praia do Patacho, uma praia muito linda, como é de característica da região com a maré baixa se formam piscinas naturais nos recifes, o que é bom para mergulho, mas tenho que dizer que o mergulho lá foi uma decepção, não tinham peixes e os recifes não tinham corais, sem falar que o fundo do mar em várias partes era um lodo, bem estranho de pisar. Mas fora isso a praia até que é interessante, ela é meio deserta, tem algumas pousadas na orla mas não tem barraquinhas e vendedores, eu particularmente prefiro assim, mas como fomos passar o dia ficamos sem estrutura.

Depois colado em Patacho está a Praia da Lage, com a mesma característica do Patacho mas com os recifes menores. O que me decepcionou nas praias da Rota dos Milagres foi a quantidade de lixo que tem nelas, é bem triste, a areia e as margens estão sempre cheias de lixo, a maré sobe e traz muita sujeira, acredito que seja porque tem muitos rios na região que desaguam no mar. A Praia da Lage tem uns barzinhos, cadeiras e guarda sol para alugar e uns vendedores ambulantes na praia.

Em seguida vem Tauamunha, o legal desse lugar é que nele fica a Associação Peixe Boi, uma instituição voltada a preservação da espécie e conscientização dos turistas e moradores. A associação oferece passeios diários de barco para avistamento do animal, no passeio o guia da informações sobre a fauna e a flora da região. O passeio custa R$50,00 por pessoa e tem um limite diário de 70 turistas para não haver prejuízos para os animais. Durante o passeio ninguém pode interagir com os animais, e eles aparecem se quiserem, ou seja o passeio não te da garantias de ver o animal eu seu habitat (mas eles quase sempre aparecem, gostam de se exibir, rsrsrsrs), porém ao final do passeio os visitantes são levados até os locais onde os animais estão aguardando para serem devolvidos a natureza, lá é possível ver os grandalhões. É um passeio bem educativo e que vale a pena fazer, a associação fica na rua principal, é bem fácil encontrar. Segue o site deles para tirar as dúvidas e conhecer o projeto. www.associacaopeixeboi.com.br

A próxima praia é a Porto da Rua, é uma praia de pescadores, com uma estrutura moderada, tem bares e restaurantes na orla, as praias são muito parecidas, se ir andando não da para saber aonde termina uma o começa a outra, a não ser pelo movimento que cai consideravelmente em algumas. Porto da rua tem areia dourada e batida e águas claras.

A seguir vem a Praia do Toque, a minha preferida da Rota Ecológica. Ela é muito parecida com Antunes em Maragogi que é a minha preferida do estado do Alagoas, e do Brasil também. Toque é uma praia deserta, com águas transparentes, mar calmo e areia branquinha. Tem uma grande faixa de areia e nela não tem lixo como tem nas outras. Se fosse para voltar lá certamente ficaria no Toque. Nela tem boas pousadas, recomendo ficar hospedado ali se quiser conhecer a região.

Ao lado do toque fica a Praia de São Miguel dos Milagres, foi nela que nos hospedamos, tínhamos reservado 5 diárias para aproveitar todas as praias e descansar, mas dois dias foram suficientes para conhecer todas e saber que não queríamos ficar ali. São Miguel foi de longe a mais suja que visitamos, é triste porque quando você chega e vê aquele mar azul não imagina as condições da praia. Em questões de estrutura é a que mais tem barzinhos, e tem muito movimento, turistas e vendedores. Para fazer passeios de lancha e jangada é o melhor local, é na praia que se concentram todos os passeios.

Um ponto aqui sobre os barzinho, não são nada do que estamos acostumados, são estruturas com mínima infra estrutura, a maioria pé na areia, com condições de higiene questionáveis, se compararmos as barracas de praia que temos no sul quando você ver as de lá não vai querer comer, mas o que os olhos não veem o coração não sente né, e as vezes uma dor de barriga até ajuda heheheh

Depois de Milagres vem Riacho, Marceneiro e Camaragipe, essas eu não parei na praia para conhecer, por isso não vou emitir opinião. A famosa Capela onde os famosos se casam fica na praia do Riacho.

Capela dos Milagres (Foto: reprodução do site capeladosmilagres.com.br)

O que achei da Rota Ecológica de São Miguel? Eu não voltaria lá, simples assim, é famoso, é conhecido mas a cidade, ou melhor os vilarejos não tem estrutura, são simples e de pessoas simples que sentam em frente de suas casas e veem a vida passar, as vilas tem casas históricas, lavanderias comunitárias,  não tem restaurantes adequados, as praias, com exceção do Toque, são sujas, enfim, acho que estava com uma expectativa alta e me decepcionei. Claro, é sempre bom conhecer e tirar suas próprias conclusões, talvez sua experiência seja diferente da que tivemos.

Sobre hospedagem, ficamos hospedados na Pousada Encanto das Águas, parecia tudo lindo, porém a pousada faz receptivo, ou seja, todo dia de manhã umas três ou quatro vans chegam cheias de turistas que fazem day use,  talvez a maioria das pessoas não se importa com muvuca, mas eu não suporto, gosto de sossego, de poder sentar em uma espreguiçadeira e relaxar, e na pousada tínhamos que correr cedinho para conseguir lugar nas espreguiçadeiras antes que as vans chegassem, sem falar em tudo, piscina, restaurante, toda a estrutura da pousada. Há quase esqueci de falar dos buggys que aceleravam cedinho, ninguém gosta de ser acordado com aceleradas né :(. 

Mas em meio a esse caos tem um lugar que quero recomendar, é um lugar que achamos no primeiro dia e voltamos la para comer outras duas vezes. O restaurante fica na beira da estrada seu nome é Kiosque do Massau,  o lugar é limpo, os funcionários uniformizados atendem com muita educação, são prestativos, o dono atende com atenção, se certificam que estamos satisfeitos, enfim, pra nós aqui do sul que estamos acostumados com isso parece que é normal, mas acredite, no nordeste não é assim. Há, e a comida é boa e o preço é justo.

Acredito que três dias sejam suficientes para conhecer tudo e ainda curtir uma praia.

Espero que tenha gostado, no próximo post vou falar sobre as praias do sul de Maceió, Francês, Barra de São Miguel e Gunga. Beijos e até o próximo…