Viagem: Valle de La Luna, Valle de la Muerte

O passeio do Valle de la Luna e Valle de la Muerte, é feito no final do dia pois o último lugar a ser visitado é a Pedra  do Coiote onde pode-se apreciar o por do sol de frente para a cordilheira, e é de tirar o folego. E por se tratar de um passeio sem grandes variações de altitude pode ser feito no primeiro dia, você ainda pode aproveitar a manhã para conhecer São Pedro do Atacama, eu aproveitei a manhã para fazer o tour arqueológico que relatei no outro post.

A saída é por volta das 16:00hs ainda esta calor e o sol castiga um pouco. A primeira parada é no Valle de na Luna, confesso que fiquei muito impressionada e nunca tinha visto nada parecido, é incrivelmente lindo, para chegar no local mais alto e de melhor observação é feito uma caminhada leve, por isso proteção para o sol e muita água são importantes. Uma dica é levar uma garrafa maior, de 1,5l ou mais, e deixar no veículo que leva para o passeio, ai você pode abastecer a sua.

 Embora o lugar seja árido e sem vida a paisagem é muito, muito bonita e não tem nada parecido. Em alguns lugares do deserto não chove a mais de 23 milhões de anos.

Nessa foto acima é possível ver a Duna Grande, é muuito grande, essa duna diferentemente das outras não se movimenta, acreditam que é porque está “sentada” sobre uma rocha, e atrás da duna tem o Anfiteatro, uma formação que lembra um estadio de futebol ou o Coliseu.

 

No pórtico de entrada do Valle tem banheiros e antes de entrar você paga CLP 2.000, eu comprei o passeio já com as entradas, ai não precisou esperar em fila para pagar, um trabalho a menos né.

Depois do Valle de la Luna a próxima parada é nas Três Marias, que é um cenário totalmente diferente, o solo coberto de sal deixa a paisagem branca, o ar ter “gosto” de sal. Ali tem algumas formações rochosas bem curiosas, com formatos engraçados, e o vento é muito forte.

Vídeo das Três Marias

Depois fomos conhecer o Valle de La Muerte que é chamado assim porque quando os incas invadiram o local eles mataram os guerrilheiros e penduraram suas cabeças na entrada do vale para mostrar poder, sinistro né, heheheh. Mas é muito bonito.

Ali atrás a parte mais cinza é a unica duna que esta liberada para a pratica de snowboard, e também olha o Lincancabur majestoso ao fundo. O passeio também pode ser feito de baixo pra cima, ou seja de dentro do canyon pra fora, eu só fiz o passeio de cima, não desci o canyon porque faltou tempo.

Vídeo do visual de cima.

 

E para terminar esse passeio fantástico a última parada foi na cordilheira para apreciar o por do sol e agradecer a Deus pela oportunidade de conhecer um lugar tão fantástico. Há, ali tem a Pedra do Coiote que se você tiver paciência pode esperar na fila para tirar uma bela foto, eu não tinha ninguém comigo que pudesse registrar o momento, mas tem alguns fotógrafos que ficam ali e cobram para fazer a foto, preferi explorar o lugar que é lindo.

Vale muito a pena conhecer, o deserto todo é lindo e vai com certeza superar todas as expectativas. Há, para esse passeio é indicado ir com roupas leves, mas ao mesmo tempo que te protejam do sol e do vendo, ao cair a noite a temperatura baixa muito e você estará em uma região alta e com muito vento, então deixe casacos pesados no carro ou ônibus porque vai precisar.

Fiz o passeio pela empresa Turistour, o passeio custa CLP 10.000,00, começa por volta das 16hs e termina por volta das 21:00hs.

Viagem: Lagunas Altiplânicas e Salar do Atacama

Uma coisa é certo, se você for pro Atacama tenha consigo uma boa memoria na sua câmera porque vai precisar, cada dia e cada passeio serão milhares de fotos, os lugares são de uma beleza indescritível e você vai querer registrar tudo.

Meu terceiro passeio foi para conhecer o Salar do Atacama e as Lagunas Altiplanicas. Se prepare porque vem ai um bombardeio de fotos…

Laguna Miscanti

A saída para o passeio é cedinho, quando os passeio começam cedo o ideal é estar usando camadas de roupas para ir tirando ao longo do dia, a manhã é gelada mas assim que o sol sai a temperatura muda. Usei uma bota de couro confortável em todos os passeios, nas fotos da pra ver o estado que ela esta, heheh, e usava short e meia calça, fácil de tirar e colocar.

O passeio até as lagunas é por si só encantador, a paisagem contrasta entre o azul do céu, o avermelhado da terra e o amarelo da vegetação, essa vegetação parece um capim fofinho e confortável, da vontade de deitar, mas é mais um espinho duro e de confortável não tem nada.

Durante o caminho passamos por uma fox que estava atravessando a rua e seguiu seu caminho sem se importar com nossa presença.

Esse passeio foi o primeiro com variação de altitude, as lagunas ficam a mais de 4mil metros de altitude, para não sofrer nenhum desconforto tomei um chá de coca e levei algumas folhas para mascar caso sentisse alguma coisa, e em nenhum dia senti absolutamente nada.

Ao chegar no topo da montanha a surpresa, tão lindo que fiquei sem palavras. A primeira e maior é a Laguna Miscanti que tem uma extensão de 15km2 é abastecida pelas chuvas e pelo degelo, no inverno fica completamente congelada.

Parada para pagar a entrada (eu já comprei a entrada no pacote então só parei para fotografar mesmo).

Enfim seguimos e descemos para se encantar com a beleza do lugar… Peço desculpas pelo vídeo amador..

Laguna Miscanti

Infelizmente ou felizmente não se pode chegar perto da Laguna, é permitido andar somente dentro da trilha de pedras, isso para preservar o lugar.

Que tal morar nessa casinha? ninguém mora nela, ela apenas é usada pela guarda do local, também tem banheiros para os turistas usarem.

Logo adiante esta a Laguna Minioues, um cartão postal, uma pintura, um papel de parede do windows, não sei como descrever, só posso dizer que é a mais linda que já vi na vida.

Laguna Minioues

A lagoa é o berço de reprodução de la Tagua Cornuda, uma ave que constrói seus ninhos em plantas aquáticas, põe de 2 a 5 ovos.

Depois do passeio o grupo se reuniu para um almoço no povoado Socaire que se destaca pela culinária tradicional. Foi ótimo recarregar as energias. O passeio foi no dia 24 véspera de Natal, foi um momento de confraternizar com o grupo.

Nesse dia o passeio passou pelo Salar to Atacama, onde fica a Laguna Chaxa que em período de acasalamento esta repleta de Flamingos, infelizmente não era período de acasalamento, mas tinha alguns.

O Local contrasta o branco do sal, com o rosa das pedras e o azul da água e do céu, é lindo. O cheiro de sal no ar é algo totalmente diferente.

Há, aqui o sol castiga então proteção é muito importante. Óculos de sol, chapéu, protetor solar, e eu usava esse cachecol sobre os ombros para não queimar.

Salar do Atacama

O passeio é longo e termina por volta das 16hs, antes de regressar passamos pelo povoado de Tocanao onde é possível comprar artesanato, la tem uma senhora que cria lhamas, pedi licença e fui me desculpar por ter comido as amigas delas, hehehe.

Esse passeio foi o mais caro, custou CLP 45.000,00 em torno de R$216 com o almoço incluso, realizei pela empresa Turistuor com quem fiz todos os passeios e o translado.

Viagem: Valle del Arco Íris

O passeio no Valle del Arco Íris não estava na minha programação, porém meu voo de volta era somente no final da tarde e o passeio era curto então deu para encaixar e conhecer um pouco mais do deserto.

O Valle del Arco Íris é conhecido pelas colinas de minerais vulcânicos que dão diferentes tons de cores tais como vermelho, verde, azul, cinza e violeta.

No caminho até o valle é possível apreciar a cordilheira, eu, uma apaixona por montanhas adorei, a paisagem é diferente de todas, você não vai encontrar nenhum lugar exatamente igual ao outro no Atacama. 

O valle é extremamente grande, a dica é ir com um guia para não se perder, também é importante ficar dentro das trilhas, não banque o explorador sozinho.

As cores predominantes são vermelho, branco e verde, devido a oxidação natural do carbonato de cálcio, que deixa a pedra branca, da arcilla que deixa vermelha e do óxido de cobre que deixa verde.

O passeio não é muito procurado, eu não diria que é imperdível, mas se sobrar tempo vale a pena conhecer.

O passeio inclui uma parada até o setor de Yerbas Buenas, onde encontramos formações de rocha vulcânica que contam a história dos povos que habitaram o lugar através de suas pinturas rupestres.

Pequena caverna usada para descanso entre as rotas

O local fazia parte da Rota Inca, uma ligação que vinha do Peru até onde hoje é Santiago, uma rota de escambo, onde os petróglifos (inscrições efetuadas nas rochas) representavam a variedade do comércio. Além de serem uma forma de passar a história dos habitantes do local para as gerações futuras. 

Desenhos mostram os diferentes animais que eram comercializados

 

Estudos mostram que não foram todas realizadas em uma mesma época, essa conclusão é em decorrência da diferença de traçado do desenhos.

Inscrições nas rochas mostram como era o comercio na região

 

Ao fundo uma tropa de Lhamas

Esse passeio foi o único que não fiz pela Turistour porque eu comprei no dia em São Pedro, ele custa CLP 30.000,00 em torno de R$140,00 mas se assim como eu comprar na hora e pechinchar consegue um bom desconto porque eles querem lotar a van, ele dura em torno de 3:30hs.

Espero que tenham gostado, beijos e até o próximo.

Viagem: Deserto do Atacama, Gêiser del Tatio

Madrugar, foi o que tive que fazer para esse passeio, o hotel deixou um lanchinho pronto na recepção e as 4:30 o guia chegou no hotel para o passeio, mesmo com frio o grupo estava animado.  O caminho foi muito gostoso, ainda estava escuro e foi possível ver as estrelas, alias o céu mais lindo do mundo eu vi no Atacama.

Dica: Esse passeio vai te levar a 4300mts de altitude, então nada de beber álcool e exagerar na comida no dia anterior.

O motivo de ser um passeio tão cedo é que a atividade mais intensa dos Geisers acontece antes do sol nascer, então nada de mimimi e trate de pular cedo da cama porque vai valer a pena. Depois de aproximadamente uma hora de viagem e subir 4300metros chegamos no campo geométrico com uma temperatura de -7ºC, isso mesmo -7 graus, o motivo de eu não ter fotos da atividade dos gêiser é esse, eu não conseguia parar de tremer, tava muito, muito frio, mãos congelando, somente depois que o sol nasceu é que consegui me mexer e explorar o lugar, hehehe.

Assim que o sol sai a atividade fica muito baixa, com poucas erupções e saindo somente fumaça, o caminho é delimitado por uma trilha de pedras que mostra onde você pode ir e onde não é seguro.

No final do post vou deixar um vídeo mostrando melhor já que não tenho muitas fotos.

Confesso que fiquei boa parte do tempo perto do vapor para me manter aquecida, mas a água sai muito quente então nada de encostar.

Nesse momento eu já estava aquecida, mas o ideal é levar um casaco térmico para passeios assim, a variação de temperatura é muito grande, eu estava com quatro camadas, o passeio terminou depois do meio dia , aí fui me desfazendo delas ao longo da manhã.

O tour permite um banho nas piscinas com águas termais, mas eram 7 da manhã e não tive coragem de tirar a roupa, ainda estava frio e teríamos mais passeios na manhã.

 

Dicas

  • O ideal é fazer esse passeio no último dia pois seu organismo já estará acostumado com a altitude e não terá nenhum problema.
  • Se mantenha aquecido e hidratado
  • Não subestime o frio e muito menor o calor, vai começar o passeio com muito frio e terminar debaixo de um sol escaldante.
  • Não esqueça o protetor solar, chapéu e a água.
  • Se for tomar banho nas piscinas não esqueça de roupa apropriada e toalha.
  • Cuidado ao andar próximo das erupções porque o chão estará congelado e fica muito escorregadio. 

Na volta entornando a cordilheira passamos pelo Valle Putana, que segundo a história é chamado assim porque tinha uma certa Ana que adorava namorar com todos os homens da região, ela foi morta no vale, daí o nome de Putana, não sei se é real ou se o guia estava tirando onda com minha cara hehehe.

O que eu sei que a água que corre nesse vale é muito cristalina, é um refugio para pássaros, com água e alimento em abundância.

Depois o passeio nos leva até a Villa Machuca um pequeno povoado de pastores de lhamas, onde tem um pastel de queijo de lhama e espetinho de carne de lhama (eu provei os dois, vale a pena provar ein.), a vila possui uma igreja centenária, vivem 09 famílias no local que sobrevivem do que plantam e do turismo.

Quem constrói a casa põe sobre ela uma cruz para espantar os maus espíritos.

O lugar é um charme, pessoas simples mas que acolhem muito bem o turista.

O passeio custou CLP 26000,0 uns R$125,00, pela agencia Turistour, eu super indico a agência, são profissionais muito qualificados, falam inglês e espanhol, e dão total suporte.

Espero que tenham gostado, até o próximo post, beijos.

Viagem: Deserto do Atacama, Tulor e Pukara de Quitor

Seguindo minha viagem depois de Santiago peguei um voo para Calama e de la segui com um transfer até São Pedro do Atacama. Eu estava a mil, não via a hora de chegar e quando o avião pousou em Calama eu estava muito, muito feliz. Na chegada o céu azul sem nenhuma nuvem mostrava como seriam os próximos dias.

Céu em Santiago
Céu em Calama

E foi esse céu azul que me acompanhou durante todos os dias da minha viagem. O Deserto do Atacama é conhecido como um dos mais secos, a umidade no dia que cheguei estava abaixo de 10%, aí haja água para hidratar, água é um item indispensável para qualquer passeio, tem que ter sempre a mão!!

Falando nisso, olha como acordei no segundo dia de estadia, minha pele estava extremamente ressecada e descamando, tive que abusar dos hidratantes para dar um jeito.

Fiquei hospedada no Hotel Tulor, que é inspirado na Aldeia Tulor, a aldeia foi um dos primeiros assentamentos humano no Vale Atacama, hoje restam apenas ruínas das construções adobe que existem ha mais de 3 mil anos.

O Hotel conta com uma estrutura razoável, possui uma piscina pequena, cabanas muito aconchegantes construídas de barro quase fieis as originais, mas com muito conforto, o modelo faz com que durante o dia fique fresquinho e a noite fica quente, nem precisei ligar o aquecimento ou o ar durante minha estadia.

O hotel fica muito bem localizado, próximo da Rua Caracol que é a rua principal onde se concentra todo movimento, lojas, mercadinhos e restaurantes.

Cheguei no Atacama perto das 20:00hs, ainda estava dia mas logo o sol se pôs e o frio chegou, 5ºC a noite, pedi recomendação no hotel de onde poderia jantar e eles me indicaram o restaurante Ayllu que servia carne de lhama, obvio que eu precisava provar, la fui eu, chegando fui surpreendida pela quantidade de brasileiros trabalhando no local já me senti em casa, pedi a Lhama e  para acompanhar me indicaram uma cerveja artesanal feita no local, e gente, incrivelmente gostosa, eu provei a de Rica rica uma planta local, a cerveja tinha um toque cítrico, perfeita. E para esquentar nada como ficar ao lado do fogo, aliás, quase todos os restaurantes possuem uma fogueira no centro pra gente se aquecer nas noites frias do deserto.

Outro local que fiz muitas refeições foi o Todo Natural, com pratos incríveis, umas saladas maravilhosas e o salmão de la, me da água na boca lembrar, e tudo  muito saudável.


 

Alem desses gostei muito do Adobe, todos contam com prato típicos e uma variedade de carnes e peixes, alias, os peixes de lá são muito bons, apesar das adversidades pra chegar.

No primeiro dia não é recomendado que se faça nenhum  passeio que exija esforço, até o organismo  se acostumar com a altitude, temperatura e umidade. Por isso nesse dia decidi conhecer  a cultura e a história do lugar fazendo um passeio arqueológico, onde conheci a Aldeia de Tulor e Pukara de Quitor.

No passeio arqueológico foi possível conhecer as ruínas dessa aldeia, as construções de adobe eram interligadas entre si e rodeadas por uma muralha perimetral que abrigava em torno de 200 pessoas, mas ainda há muito o que descobrir já que eles não tem real dimensão do quão grande é, há ainda muito o que escavar, e boa parte das descobertas estão quase soterradas pela ação do vento.

Foram recriadas duas adobes no local do sítio arqueológico para que tenhamos visão de como a tribo vivia.

Depois fomos até as ruínas de Quitor, uma fortaleza construída por volta do século XII com rochas e barro, a fortaleza foi construída no alto com visão estratégica de quem chegava, foi tomada primeiramente pelos Incas que em 1540 foram derrotados pelos Espanhóis, ela resistiu por mais de 20 anos antes de sua queda. Em 1982 foi declarada monumento nacional.

Muro que cerca a fortaleza

Cultura Atacamenha

Império Inca

Em 1954 a Espanha derrota os incas e assume o território da região

O passeio até o sítio vale muito a pena, a história Atacamenha é muito rica, no passeio você pode visitar um museu que preserva  a história do lugar.

E olha a vista do alto, da para ver todo o vale e lá no fundo o majestoso Lincancabur!

 

Ao final do passeio a ultima parada foi para visitar uma família que ainda vive conforme costumes de seus antepassados. Vivem do que plantam, criam alpacas e ovelhas, plantam grão, e cuidam de um jardim lindo. Foi muito bacana, o grupo foi recebido com uma mesa posta para café da manhã, com pães, geleia e suco geladinho.

Esqueleto de um cacto

Todos meus passeios foram guiados pela empresa Tutistour, que tem um atendimento muito bom, guias que falam em espanhol e inglês, e era a unica que aceitava pagamento com cartão, as demais somente em dinheiro.

O passeio completo custa CLP 25.000,00 fiz pela empresa Turistour

Meu passeio continua no próximo post. Qualquer dúvida por favor deixe nos comentários.

Beijos.